Crise

Crise
Crise Brasileira

sábado, 15 de junho de 2019

Prisão imediata da gang da Lava Jato



O judiciário brasileiro está diante do maior atentado perpetrado contra o Estado de Direito e a democracia do país.

São conhecidos os arquitetos e mandantes estrangeiros do crime, assim como seus vassalos e autores locais liderados pelo conluio jurídico-midiático Globo-Lava Jato.

Moro, tua hora chegou

Agência Brasil


Sergio Moro é o resumo de um Brasil que a gente teima em dizer que não existe, mas que se faz presente no nosso dia a dia. É o país que se imaginava no passado, aquele da Casa Grande e Senzala. Mera ilusão, Moro está aí para provar que são os medíocres do andar de cima quem realmente mandam.

O site "aliado a hackers criminosos"


Editor Executivo

Editor Fundador e Colunista

No último domingo, o Brasil foi surpreendido por três reportagens explosivas publicadas pelo TIB. Nelas, nós mostramos as entranhas da Lava Jato e mergulhamos fundo em poderes quase nunca cobertos pela imprensa. Quase todos os jornalistas que eu conheço preferem se manter afastados disso: apontar o dedo para procuradores e juízes é, antes de tudo, perigoso em muitos níveis – eles têm razão.

Olavo, a pós-modernidade e o Pequeno Príncipe, por Mauro Iasi

Extremamente sedutora na forma, a pós-modernidade é filha do irracionalismo e mãe da barbárie. Esperava um mundo livre das metanarrativas, expressão do poder sobre os corpos e da liberdade, mas se vê diante da produção industrial da mentira, do poder em seu estado puro

Por Jornal GGN
https://jornalggn.com.br/


Por Mauro Iasi

Tu deviens responsable pour toujours
de ce que tu as apprivoisé”
SAINT-EXUPÉRY

Quando nos vemos diante da catástrofe que nos assola, começamos a perceber alguns personagens de forma oportunista tentando abandonar o barco e se desvencilhar de declarações e laços que os ligam à nau desgovernada. É compreensível e esperado. No entanto, nossa responsabilidade é militar pelo não esquecimento.

Trata-se, de fato, de atribuir a quem de direito cabe a responsabilidade por um desclassificado, tosco e desequilibrado miliciano e sua família mafiosa ter chegado ao posto máximo da República. Em um conhecido poema, Verhoer des Guten, cuja declamação me custou um processo, Brecht fala de um personagem que, diante da catástrofe do nazismo, tenta se isentar de culpa afirmando ser um homem bom, que apenas emitiu sua opinião, que é bom amigo. A pergunta central do poema pode ser encontrada no momento em que o homem bom afirma que não age movido por seus próprios interesses, ao que o poeta pergunta: que interesses te movem, então?

Escancaramento da conspiração Globo-Lava Jato ressuscita dúvidas sobre morte do Teori e facada no Bolsonaro



O Intercept trouxe à realidade as provas da já conhecida manipulação da Lava Jato para fins políticos.

Agora ficou documentalmente provada a conspiração Globo-Lava Jato para derrubar Dilma e, à continuação, prender Lula para tirá-lo da eleição de 2018 e deixar o caminho livre para a viabilização do projeto de poder da extrema-direita entreguista e liquidacionista.

Moro, o insustentável

http://www.tijolaco.net/


As novas trocas de mensagens entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol – a que saiu ontem à noite e as que a Folha mostra a “orientação” do então juiz sobre quais personagens da delação da Odebrecht deveriam ser privilegiadas – atiram por terra a possibilidade de que os diálogos tivessem sido fortuitos e não caracterizassem o fato, a esta altura indesmentível, de que o titular da 13ª Vara Criminal era o chefe de fato da chamada Operação Lava Jato.

Procuradores da Lava Jato queriam ser o Batman, mas se transformaram no Duas Caras. Por Joaquim de Carvalho

         Publicado por Joaquim de Carvalho

O Duas Caras cai melhor para o cidadão

As voltas que o mundo dá. Em setembro de 2017, Glenn Greenwald realizou uma palestra durante a entrega do prêmio Allard, promovido pela University of British Columbia, em Vancouver, no Canadá. Deltan Dallagnol e alguns procuradores estavam lá, para receberem uma menção honrosa pelo trabalho de combate à corrupção.

O jornalista norte-americano, que vive no Brasil, elogiou a Lava Jato, apesar da pressão da comunidade acadêmica e de amigos para que nem fosse ao evento, em razão dos abusos da força tarefa, que já tinham sido tornados públicos.

Gabeira e a personalização da Luta contra a corrupção: os construtores de narrativas, por Frederico Firmo

Mas Gabeira vai repetindo os clichês que fundamentam a narrativa, quando fala que não pode julgar pois não conhece o "contexto". Impossível que ele desconheça o contexto. Todos sabíamos das violações mas muitos acharam que as violações eram necessárias.

          Por Frederico Firmo
          https://jornalggn.com.br/

Gabeira e a personalização da Luta contra a corrupção: os construtores de narrativas

por Frederico Firmo

Agora em construção a narrativa do momento diz respeito a transformação dos abusos ocorridos no processo da Lava Jato em ataques à luta contra a corrupção e à Lava Jato. É uma narrativa sem esteio na realidade, pois a Lava Jato continua na mesma comarca com procuradores do MP e policiais federais, mas um novo Juiz da Comarca. Portanto se ela continua não há porque considerar os vazamentos como um ataque a luta contra a Operação. Mas a narrativa vai sendo construída na esperança de encontrarem uma saída para um determinado grupo de pessoas.